PROBLEMAS GASTROINTESTINAIS O QUE SÃO? GUIA ATUALIZADO

Tudo Sobre Problemas Gastrointestinais

PROBLEMAS GASTROINTESTINAIS O QUE SÃO GUIA ATUALIZADO

Problemas Gastrointestinais

Distúrbios Funcionais

Distúrbios funcionais são aqueles em que o intestino parece normal, mas não funciona corretamente.

Eles são os problemas mais comuns que afetam o cólon e o reto, e incluem prisão de ventre e síndrome do intestino irritável (IBS).

As principais causas para distúrbios funcionais incluem:

Comer uma dieta pobre em fibras

Não fazer exercício

Viajar ou outras mudanças na rotina

Comer grandes quantidades de produtos lácteos

Forçando o músculo

Resistir ao desejo de ter uma evacuação

Resistir à vontade de ter movimentos intestinais devido a dor de hemorróidas

O uso excessivo de laxantes que, ao longo do tempo, enfraquecem os músculos intestinais

Tomar medicamentos antiácidos que contenham cálcio ou alumínio

Tomar certos medicamentos (especialmente antidepressivos, pílulas de ferro e fortes medicamentos para a dor, tais como narcóticos)

Estar grávida

 

(VÍDEO) DOENCAS GASTROINTESTINAIS E A ALIMENTAÇÃO

 

> Constipação

Obstipação é a difícil passagem das fezes (movimentos intestinais) ou pouco frequentes (menos de três vezes por semana) ou a passagem incompleta das fezes.

A constipação é causada geralmente por “volume” inadequado ou fibras na dieta, ou uma interrupção da rotina regular ou dieta. A constipação faz com que uma pessoa se esforce durante uma evacuação.

A causa poderia incluir fezes pequenas e duras, e às vezes causam problemas anais, tais como fissuras e hemorroidas. A constipação raramente é o sinal de uma doença mais grave.

Tratamento da constipação inclui o aumento da quantidade de fibra que você come, fazer exercícios regularmente, e mover seu corpo quando você tem o desejo (resistir à vontade provoca prisão de ventre).

Se esses métodos de tratamento não funcionarem, laxantes são uma solução temporária. Note-se que o uso excessivo de laxantes pode realmente agrava os sintomas de constipação.

Siga sempre as instruções da embalagem do medicamento, bem como o aconselhamento do seu médico.

 

> Síndrome do intestino irritável (IBS)

Síndrome do intestino irritável (também chamado cólon espástico, cólon irritável, ou estômago irritado) é uma condição em que o músculo contrai o cólon mais facilmente do que em pessoas sem IBS.

Uma série de fatores podem desencadear IBS incluindo certos alimentos, medicamentos e estresse emocional.

Os sintomas de IBS incluem dor abdominal e cólicas, excesso de gás, inchaço, e uma mudança nos hábitos intestinais, tais como dificuldade ao evacuar, ou, mais solto, ou fezes mais urgentes do que o normal.

Muitas vezes as pessoas com IBS tem ao mesmo tempo constipação e diarreia.

O tratamento inclui evitar cafeína, aumento de fibras na dieta, acompanhamento de quais os alimentos desencadeiam IBS (e evitar esses alimentos), minimizando o estresse ou aprender diferentes maneiras de lidar com o estresse, e por vezes, tomar medicamentos como prescrito pelo seu médico.

 

(VÍDEO) Alimentos X Problemas Gastrointestinais

 

> Distúrbios estruturais

Distúrbios estruturais são aquelas em que o intestino parece anormal e não funciona adequadamente. Por vezes, a anormalidade estrutural precisa ser removida cirurgicamente.

Os distúrbios estruturais mais comuns são os que afetam o ânus, bem como a doença diverticular e cancro.

 

> Perturbações anais

Hemorroidas são vasos sanguíneos inchados que revestem a abertura anal que surgem pelo excesso de pressão no esforço durante um movimento intestinal, diarréia persistente, ou gravidez. Existem dois tipos de hemorroidas: internas e externas.

 

> Hemorroidas internas

Hemorroidas internas são estruturas normais de amortecimento da parte inferior do recto que protegem do dano por fezes.

Quando elas caem para dentro do ânus, como resultado da deformação, tornam-se irritadas e começam a sangrar. Em última análise, hemorroidas internas podem cair o suficiente para o prolapso (para fora do ânus).

O tratamento inclui a melhoria dos hábitos intestinais (tais como evitar a constipação, não fazer esforço durante as evacuações, e movendo seu corpo), utilizando elásticos para puxar as hemorroidas internas de volta para o reto, ou removê-las cirurgicamente.

A cirurgia é necessária apenas para um pequeno número de pacientes com hemorróidas muito grandes, dolorosas e persistentes.

 

> Hemorroidas externas

As hemorróidas são veias que se localizam por baixo da pele na parte externa do ânus. Às vezes, depois de esticar, as veias hemorroidárias externas estouram e se forma um coágulo de sangue sob a pele. Esta condição muito dolorosa é chamada uma pilha.

O tratamento inclui a remoção do coágulo e da veia sob anestesia local no consultório do médico.

 

> As fissuras anais

As fissuras anais são fendas ou rachaduras no revestimento da abertura anal. A causa mais comum de uma fissura anal é a passagem de fezes muito duras ou lacrimejantes.

A fenda no revestimento Anal expõe os músculos subjacentes que controlam a passagem de fezes através do ânus e para fora do corpo.

Uma fissura anal é um dos problemas mais dolorosos porque os músculos expostos tornam-se irritados na exposição das fezes ou ar, e leva à dor intensa, sensação de queimar, sangramento , ou espasmo após as evacuações.

O tratamento inicial para fissuras anais inclui remédios contra a dor, fibra dietética para reduzir a ocorrência de grandes volumes e banhos de assento (sentado em poucas polegadas de água quente).

Se estes tratamentos não aliviarem a dor, a cirurgia pode ser necessária para diminuir o espasmo do músculo do esfíncter.

 

(VÍDEO) Úlceras e Distúrbios Gastrointestinais

 

> Abcessos perianal

Abcessos perianais pode ocorrer quando as pequenas glândulas anais que se abrem no interior do ânus se tornam bloqueadas, e as bactérias sempre presentes nessas glândulas causam uma infecção.

Quando o pus se desenvolve, forma-se o abcesso. O tratamento inclui a drenagem do abscesso, geralmente sob anestesia local no consultório do médico.

 

> Fístula anal

Uma fístula anal muitas vezes resulta da drenagem de um abcesso e é uma passagem tubular anormal do canal anal de um furo na pele perto da abertura do ânus.

Resíduos do corpo que viajam através do canal anal são desviados através deste pequeno canal e vão para fora através da pele, causando coceira e irritação.

Fístulas também causa a drenagem, dor e sangramento. Eles raramente se curam por si e geralmente precisam de uma cirurgia para drenar o abscesso e “fechar” a fístula.

 

> Outras infecções perianal

Às vezes, as glândulas da pele perto do ânus tornam-se infectadas e precisam ser drenadas. Logo atrás do ânus, podem se formar abcessos que contêm um pequeno tufo de cabelo na parte de trás da pélvis (chamado um quisto pilonidal).

Doenças sexualmente transmissíveis que podem afetar o ânus incluem verrugas anais, herpes, AIDS, clamídia e gonorreia .

 

> Doença diverticular

Diverticulose é a presença de pequenas protuberâncias (divertículos) na parede muscular do intestino grosso que se formam em áreas enfraquecidas do intestino. Elas geralmente ocorrem no cólon sigmoide, a área de alta pressão do intestino grosso inferior.

Doença diverticular é muito comum e ocorre em 10 por cento das pessoas com mais de 40 anos de idade e em 50 por cento das pessoas com mais de 60 anos de idade nas culturas ocidentais. Muitas vezes, é causada por muito pouco volume (fibra) na dieta.

Diverticulose raramente causa sintomas.

Complicações da doença diverticular acontecem em cerca de 10 por cento das pessoas com divertículos. Elas incluem a infecção ou inflamação (diverticulite), sangramento, e obstrução.

O tratamento da diverticulite inclui antibióticos, maior quantidade de líquidos, e uma dieta especial. A cirurgia é necessária em cerca de metade dos pacientes que têm complicações para remover o segmento envolvido do cólon.

 

> Pólipos do cólon e cancro

A cada ano, 130.000 americanos são diagnosticados com cancro colorectal , a segunda forma mais comum de câncer nos Estados Unidos.

Felizmente, os avanços na detecção e tratamento precoce do cancro colo-rectal é uma das formas mais curáveis da doença.

Usando uma variedade de testes de rastreio, é possível prevenir, detectar e tratar a doença muito antes de os sintomas aparecerem.

 

> A importância do rastreio

Quase todos os cânceres colorretais começam como pólipos, (não-cancerosos) tumores benignos nos tecidos que revestem o cólon e reto.

O câncer se desenvolve quando estes pólipos crescem e células se desenvolvem e começam a invadir o tecido circundante. A remoção dos pólipos pode prevenir o desenvolvimento de cancro colorectal.

Quase todos os pólipos pré-cancerosos podem ser removido sem dor usando um tubo iluminado flexível chamado colonoscópio.

Se não for travado nas fases iniciais, o câncer colorretal pode se espalhar por todo o corpo. O câncer avançado requer técnicas cirúrgicas mais complicadas.

A maioria das formas iniciais de câncer colorretal não causam sintomas, o que torna a triagem especialmente importante. Quando ocorrem sintomas, o câncer já pode ser bastante avançado.

Os sintomas incluem sangue possivelmente (mas não necessariamente) misturado com as fezes, uma mudança nos hábitos intestinais normais, estreitamento das fezes, dor abdominal, perda de peso ou cansaço constante.

A maioria dos casos de cancro colorectal são detectados em uma das quatro maneiras:

Ao examinar as pessoas com risco médio para o cancro colorectal partir dos 50 anos

Ao examinar as pessoas em maior risco de cancro colo-rectal (por exemplo, aqueles com uma história familiar ou uma história pessoal de pólipos do cólon ou câncer)

Ao investigar o intestino em pacientes com sintomas suspeitos

Ao encontrar em uma rotina de check-up

A detecção precoce é a melhor chance de cura.

 

(VÍDEO) Bactérias Do Intestino Podem Proteger Bebês Contra Problemas Gastrointestinais

 

> Colite

Existem vários tipos de colite, condições que causam a inflamação do intestino. Esses incluem:

Colite infecciosa

A colite ulcerosa (causa desconhecida)

Doença de Crohn (causa desconhecida)

Colite isquêmica (causada quando o sangue indo para o cólon não é o suficiente)

Radiação Colite (após a radioterapia)

Colite provoca diarreia, hemorragia retal, cólicas abdominais, e urgência (freqüente e necessidade imediata de esvaziar os intestinos). O tratamento depende do diagnóstico, o que é feito por colonoscopia e biopsia .

 

> Resumo

Muitas doenças do cólon e do reto podem ser evitadas ou minimizadas através da manutenção de um estilo de vida saudável, praticando bons hábitos intestinais, e fazendo exames do cancro.

Se você tem um histórico familiar de câncer colorretal ou pólipos, você deve fazer um exame de colonoscopia aos 40 anos, ou 10 anos mais jovem do que o seu mais novo membro da família com câncer.

(Por exemplo, se o seu irmão foi diagnosticado com câncer colorretal ou pólipos aos 45 anos, você deve começar o exame aos 35 anos).

Se você não tem histórico familiar de cancro colorectal e nem de outros tipos de câncer, você deve ter uma colonoscopia aos 50 anos.

Se você tiver sintomas de câncer colorretal deve consultar o seu médico imediatamente. Os sintomas mais comuns incluem:

Uma mudança nos hábitos intestinais normais

Sangue nas fezes que seja claro ou escuro

Dores abdominais ou de gás incomuns

Fezes muito estreita

A sensação de que o intestino não esvazia completamente após a passagem das fezes

Perda de peso inexplicada

Fadiga

medico-emagecer-mulher-projeto-novo

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ »

QUER EMAGRECER? CARDÁPIO E DICAS »

Recomendados para você:


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *