CIRURGIA BARIÁTRICA

CIRURGIA BARIÁTRICA

 Em resumo, o procedimento em que o estomago é diminuído através da cirurgia Gastroplastia, também chamada de cirurgia bariátricacirurgia da obesidade ou ainda de cirurgia de redução do estomago é – como o próprio nome diz – uma plástica no estômago.

(Gastro = estômago e plastia = plástica).

Ela tem como objetivo reduzir o peso de pessoas com o IMC muito elevado.

 

Cirurgia Bariátrica – Saúde ou apenas Estética?

A OBESIDADE tem acometido grande parte da população em todo o mundo e no Brasil não é diferente. Tem sido uma guerra contra a balança que inicia bem cedo.

Aproximadamente 57% da população brasileira adulta estão acima do peso e 20% são obesos, ou seja, para cada 5 brasileiros 1 está obeso (IBGE, 2013).

Estes dados são alarmantes, segundo a VIGITEL (2016), já que nos últimos 10 anos, a obesidade aumentou 60%. Hábitos de vida inadequados são alguns dos fatores para justificar esse aumento da obesidade.

No entanto outros riscos podem surgir com o ganho de peso, como as doenças crônicas:

– Hipertensão Arterial (aumento de 14,2 %)

– Diabetes (aumento de 61,8%).

 

Cada vez tem sido mais comum a procura pelo procedimento de REDUÇÃO DE ESTÔMAGO, a famosa CIRURGIA BARIÁTRICA ou GASTROPLASTIA.

Também conhecida como CIRURGIA DA OBESIDADE, mas tem sido mais comum sua busca para fins Estéticos.

Lembre-se que a Saúde vai muito além da perda de peso e de um corpo Magro. Sendo assim, não pense apenas em exibir um corpo enxuto, mas sim no bem estar físico e mental.

 A CIRURGIA BARIÁTRICA é uma técnica cirúrgica realizada em clínicas/hospitais particulares e pelo SUS, para redução ponderal, ou seja, visa reduzir o reservatório gástrico, que tem por consequência diminuir sua capacidade (volume).

Com a intervenção cirúrgica, o paciente passa por uma grande mudança no Hábito Alimentar.

Após este procedimento o consumo de alimentos é drasticamente reduzido e logo se conquista o objetivo de Perda de Peso.

Este procedimento apresenta risco de complicações, portanto uma série de fatores deve ser avaliada antes de optar pela cirurgia.

Antes de realizar o procedimento, os pacientes passam por um Programa de Emagrecimento que envolve uma EQUIPE MULTIDISCIPLINAR de profissionais de saúde que avaliam cada paciente individualmente e analisam qual procedimento oferece menos risco:

  • Cardiologista
  • Endocrinologista
  • Fisioterapeuta
  • Gastroenterologista
  • Ginecologista
  • Nutricionista
  • Pneumologista
  • Psiquiatra e demais profissionais.

 

Exames e pareceres médicos são realizados antes do procedimento (pré-operatório) e após (pós-operatório) seguidos de acompanhamento médico por toda a vida.

São realizados:

  • Exames Físicos
  • Clínico: Raios-X, ultrassonografia e endoscopia.
  • Laboratorial: Sangue (Hemograma completo, vitaminas e minerais), fezes e urina.
  • Avaliação psiquiátrica

 

Quem pode fazer a CIRURGIA BARIÁTRICA?

Indicações da CIRURGIA BARIÁTRICA:

– Pacientes com Obesidade Grau II: Com IMC acima de 35 Kg/m2. Seguido das complicações correlacionadas ao excesso de peso:

  • Apneia do sono
  • Diabetes
  • Hipertensão arterial
  • Aumento de gorduras no sangue
  • Problemas nas articulações.

 

– Obesidade Grau III (mórbida): IMC acima de 40 Kg/m2 e que não perderam peso após tratamento clínico e uso de fármacos por um período de 2 anos.

  • Tentativas de tratamentos anteriores para perda de peso sem sucesso.
  • Tempo de evolução da doença.
  • Idade de 16 a 60 anos.

 

Contraindicações da CIRURGIA BARIÁTRICA:

– Alcoolismo

– Dependência química

– Distúrbio de comportamento alimentar

– Patologia psiquiátrica grave

– Patologias graves do trato gastrointestinal

– Retardo mental grave.

 

CLASSIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DA CIRURGIA BARIÁTRICA

– RESTRITIVA: Restringe a quantidade de alimentos que o estômago recebe induzindo a sensação de saciedade.

Procedimentos: Banda Gástrica e Gastrectomia vertical.

 

– TÉCNICA MISTA: Restrição na capacidade de receber alimentos com um desvio curto do intestino delgado. A má absorção dos alimentos é discreta.

Procedimento: By-pass gástrico em Y de Roux.

 

– DISABSORTIVAS (atualmente em desuso): Altera o tamanho e a capacidade do estômago em receber alimentos. Diminui a absorção de nutrientes.

Procedimento: Derivação Bileopancreática.

 

TIPOS DE PROCEDIMENTOS DA CIRURGIA BARIÁTRICA

Os procedimentos podem ser feitos por abordagem Aberta ou por Videolaparoscopia (menos invasiva) com necessidade de anestesia geral.

– BANDA GÁSTRICA AJUSTÁVEL: Dispositivo de silicone colocado no início do estômago. É reversível e pouco invasivo.

Não recomendado para pacientes com:

  • Compulsão por doces
  • Hérnia hiatal volumosa
  • Esofagite de refluxo.

Riscos: Rejeição, infecção e perda de peso insuficiente.

 

– GASTRECTOMIA VERTICAL: Remoção de 70 a 85% do estômago, não é reversível. Pode ser transformada em By-pass gástrico ou Derivação Bileopancreática.

Causas:

  • Azia
  • Náuseas
  • Vômitos
  • Redução do hormônio Grelina (ligado à fome)
  • Absorção de ferro.

Riscos: Chances de hemorragias e infecções no local da cicatriz do estômago.

 

– BY-PASS GÁSTRICO: É a mais utilizada. Diminui para 10% a capacidade do estômago desviando os alimentos para a primeira porção do intestino (duodeno) até o jejuno.

Causas:

  • Azia
  • Náuseas
  • Vômitos
  • Redução do hormônio Grelina.

 

Riscos:

  • Hemorragias e infecções no local da cicatriz do estômago
  • Embolia pulmonar
  • Anemia crônica
  • Síndrome de Dumping.

 

– DERIVAÇÃO BILEOPANCREÁTICA: Com 85% do estômago retirado e desviado para o intestino. Assim o alimento segue por um caminho e os sucos digestivos por outro (se encontrando a 100 cm de acabar o intestino delgado). Inibe a absorção de calorias e nutrientes.

Causas:

  • Desnutrição de intensidade variável
  • Diarreia
  • Flatulências
  • Deficiências de vitaminas.

 

Riscos:

  • Síndrome de Dumping
  • Oclusão intestinal
  • Hemorroidas
  • Desmineralização óssea, entre outros.

 

RISCOS GERAIS DO PROCEDIMENTO CIRÚRGICO DA CIRURGIA BARIÁTRICA

– ATELECTASIA: Colapso pulmonar, o pulmão não consegue expandir (murcha). Causa dor no peito, tosse e dificuldade para respirar.

 

– FÍSTULA: Extravasamento do conteúdo estomacal ou intestinal dentro da cavidade abdominal pela abertura das costuras.

 

– PNEUMONIA: Infecção no pulmão.

 

– TROMBOSE VENOSA PROFUNDA: Entupimento das veias da perna.

 

 

CIRURGIA BARIÁTRICA – PORQUE OCORRE PERDA DE PESO?

– Restrição Alimentar

– Menor Absorção de Nutrientes

– Aumento do Metabolismo.

 

QUANDO A CIRURGIA BARIÁTRICA TEM RISCOS DE ENGORDAR:

– Adoção de Maus Hábitos Alimentares

– Consumo excessivo de alimentos com alta densidade calórica

– Consumo de alimentos com baixa qualidade nutricional

– Grandes intervalos de Jejum

– Saída do programa de emagrecimento.

 

PRÓS DA CIRURGIA BARIÁTRICA

– Grande Perda de Peso

– Melhora no tratamento de doenças

– Melhora na autoestima

– Reestabelecimento no convívio sociocultural

– Controle do diabetes

– Controle da pressão arterial

– Redução dos níveis de lipídeos sanguíneos

– Redução dos níveis de ácido úrico

– Redução das dores nas articulações.

 

CONTRAS DA CIRURGIA BARIÁTRICA

– Acompanhamento médico-nutricional para o resto da vida

– Dieta qualitativamente adequada

– Desnutrição

– Diarreia

– Anemia (deficiência de ferro, B12 e ácido fólico)

– Deficiência de vitaminas e minerais.

 

 

PRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA BARIÁTRICA

O que fazer antes da cirurgia no pré operatório da CIRURGIA BARIÁTRICA.

 – CARBOIDRATOS COMPLEXOS 

Regularizam a glicemia e fornecem estoque de energia:

  • Aipim
  • Biscoitos integrais
  • Cereais integrais
  • Frutas
  • Hortaliças
  • Inhame
  • Pães integrais

 

– VITAMINA C

Antioxidante e precursor do colágeno:

  • Acerola
  • Aveia
  • Caju
  • Couve-flor
  • Frutas cítricas
  • Goiaba
  • Mamão
  • Manga
  • Tomate
  • Vegetais verdes.

 

– VITAMINA K

Favorece a coagulação:

  • Repolho
  • Fígado de boi
  • Couve-flor
  • Lentilha
  • Nabo (folhas)
  • Vegetais verdes
  • Óleo de soja e de milho.

 

 EVITAR NO PRÉ-OPERATÓRIO

– Açúcar simples

– Bebidas alcoólicas.

 

 

ALIMENTAÇÃO PÓS- OPERATÓRIO DA CIRURGIA BARIÁTRICA

A alimentação deve ser individualizada, orientada por um nutricionista e acompanhada por exames laboratoriais periódicos.

Normalmente a Dieta é distribuída em 4 FASES:

1º Fase: Dieta Líquida Restrita ou Líquida Completa (conforme tolerância paciente)

– Fase de adaptação, duração de 2 semanas após a cirurgia.

Constituída de pequenos volumes (50 ml por refeição a cada 30 minutos), o objetivo é o repouso gástrico, e adaptação a pequenos volumes.

– Requer uso de suplementos nutricionais em pó já nos primeiros dias da dieta.

– Excluir da dieta a lactose, alguns pacientes podem ter intolerância.

 

2º Fase: Dieta Pastosa

– Duração média de 7 a 10 dias.

Inclusão de cremes, papas ralas e purês liquidificados.

– Iniciar a refeição pela fonte de proteína e ficar atento para identificar possíveis intolerâncias alimentares.

– Ingerir líquidos no intervalo entre as refeições e em pequenos volumes.

 

3º Fase: Dieta Branda (sem carboidratos simples)

– Duração média de 5 dias.

Alimentos bem cozidos que se desmancham na mastigação.

– Preferir alimentos mais nutritivos ricos em proteínas, ferro, cálcio e vitaminas.

Exemplo: carnes, frutas (sem casca), legumes, leite e derivados.

– Evitar alimentos muito fibrosos.

 

4º Fase: Dieta Geral (normal)

– Normalmente ocorrem 30 dias após a cirurgia.

A alimentação deve ser nutritiva, com baixo teor de gordura, fornecer conforto e satisfação. Deve evoluir gradativamente e em quantidade pequenas.

– Mastigar exaustivamente e lentamente os alimentos.

 

O médico ou nutricionista definirá o tempo médio de permanência do paciente em cada fase da dieta.

As dietas podem evoluir como também involuir dependendo da aceitação da dieta a fim de evitar o desconforto gástrico no paciente tais como: dor, náuseas ou vômitos.

Em longo prazo, caso o paciente NÃO SIGA as orientações do pós-operatório, há grandes chances de colocar em risco o sucesso do procedimento.

Caso isso ocorra o paciente voltará a engordar.

Portanto, é fundamental seguir com o acompanhamento médico, nutricional, psicológico e principalmente contar com o apoio da família.

 

PREFERIR NO PÓS-OPERATÓRIO (Alta Hospitalar)

– Arroz

– Aves e peixes (cozido, assado, grelhado, desfiado ou moído).

– Biscoitos sem recheio

– Comer devagar

– Hortaliças não flatulentas cozidas:

  • Abobrinha
  • Batata
  • Cenoura
  • Chuchu.

– Ingerir no mínimo 1,5 L de líquidos por dia:

  • Água de coco
  • Água sem gás
  • Chás claros
  • Sucos.

– Ingestão hídrica 30 minutos antes ou depois das refeições.

– Leite e derivados

– Massas

– Mastigar muito bem os alimentos

– Ovos mexidos ao leite

– Pães macios

– Polivitamínicos com:

  • Ácido fólico
  • Ferro
  • Cálcio
  • Potássio
  • Vitamina A e B12 (ex: Centrum).

– Suplementos nutricionais proteicos: Ex: Sustagem ou Nutren Diabetes (líquido ou em pó).

– Volume máximo de 150 ml por refeição (porções pequenas e frequentes).

 

EVITAR NO PÓS-OPERATÓRIO (Alta Hospitalar)

– Achocolatados e milk-shakes.

– Alimentos açucarados:

  • Achocolatados
  • Mel
  • Xaropes
  • Leite condensado
  • Geleia
  • Goiabada.

– Bebidas alcoólicas.

– Bebidas com gás: Água e refrigerantes.

– Bebidas estimulantes: Café, chá preto e chá-mate.

– Carnes duras e empanadas.

– Comer muito rápido.

– Deitar logo após refeição.

– Hortaliças folhosas cruas ou flatulentas:

  • Repolho
  • Brócolis
  • Pepino
  • Pimentão
  • Couve-flor
  • Cebola.

– Ingestão hídrica durante ou imediatamente após as refeições.

– Pães e biscoitos duros e crocantes.

– Refeições volumosas.

 

 

EXAMES BIOQUÍMICOS PÓS-OPERATÓRIO (Avaliação nutricional)

– Ácido fólico

– Albumina sérica

– Calciúria em urina de 24 horas

– Cobre

– Ferritina

– Hemograma completo

– Magnésio

– Sódio

– Vitamina A

– Vitamina B1 (Tiamina)

– Vitamina B12

– Vitamina D

– Zinco.

 

 

SUPLEMENTAÇÃO: PÓS- OPERATÓRIO

Devido a uma menor ingestão de alimentos, é muito comum o paciente sofrer de carências de vitaminas e minerais. Isso vai depender do tipo de procedimento adotado, seja pela redução do estômago e/ou diminuição da absorção de nutrientes.

Após avaliação e realização de exames bioquímicos o nutricionista indicará a suplementação para evitar deficiências nutricionais.

A SUPLEMENTAÇÃO de polivitamínico/mineral (orais ou injetáveis) tem a finalidade de prevenir deficiências nutricionais, as mais comuns são: ácido fólico, cálcio, ferro, zinco, proteínas, vitamina D e vitaminas do complexo B.

É indicada nos primeiros 2 meses após a cirurgia, na forma em pó solúvel ou em pastilhas. Após 30 ou 60 dias pode-se seguir com cápsulas e comprimidos. Esta deve suprir 100% das necessidades nutricionais diárias ou no mínimo 2/3.

Devido à menor absorção de ferro, cálcio e vitaminas como B12 e D, muitas pessoas relatam cansaço, dificuldade de equilíbrio, ressecamento da pele, queda de cabelo, unhas quebradiças.

Nunca se automedique: Faça exames regularmente e siga as orientações médicas e do nutricionista.

 

 

PRINCIPAIS NUTRIENTES PARA O ORGANISMO

PROTEÍNAS

– Função: Essenciais para a constituição dos tecidos, enzimas, hormônios e transporte de substâncias pelo sangue.

– Deficiência: Perda de massa muscular, anemia, queda de cabelo, baixa da imunidade e edema (casos mais avançados).

– Fontes:

  • Produtos de origem animal (carnes, peixes, ovos, leite e derivados)
  • Soja
  • Feijão
  • Grão-de-bico.

 

FERRO

– Função: Fundamental para a formação das hemácias (células vermelhas do sangue).

– Deficiência: Causa anemia.

– Fontes:

  • Carnes vermelhas
  • Leguminosas (lentilha, grão-de-bico, feijão e ervilha)
  • Castanhas
  • Sementes de abóbora e gergelim
  • Cereais integrais
  • Melaço da cana
  • Açúcar mascavo
  • Vegetais verdes escuros.

 

VITAMINA B1 (TIAMINA)

– Função: Necessária para o metabolismo dos carboidratos.

– Deficiência: Perda de peso, fraqueza, sonolência e vômitos.

– Fontes:

  • Carnes magras
  • Amendoim
  • Leite
  • Folhas verdes
  • Feijão
  • Lentilha
  • Grãos integrais.

 

ÁCIDO FÓLICO

– Função: Formação de proteínas estruturais e hemoglobina.

– Deficiência: Anemia megaloblástica

– Fontes: Carnes, vegetais verdes escuros e leguminosas.

 

VITAMINA D

Função: Auxilia na absorção de fósforo e cálcio pelo organismo.

– Deficiência: Osteomalácia e osteoporose.

– Fontes:

  • Raios solares
  • Gema de ovo
  • Peixes
  • Leite e derivados
  • Óleos de peixe
  • Fígado de boi
  • Galinha
  • Porco.

 

CÁLCIO

– Função: Fortalecimento de dentes e ossos.

– Deficiência: Osteoporose.

– Fontes:

  • Leite e derivados
  • Castanhas
  • Ovos
  • Frutas
  • Gergelim
  • Couve
  • Agrião
  • Aveia.

 

 

ZINCO

– Função: Necessário para várias funções no organismo.

– Deficiência: Queda de cabelo e baixa a imunidade.

– Fontes:

  • Carnes
  • Grãos integrais
  • Aveia
  • Lentilha
  • Leite
  • Farelo de trigo
  • Cogumelos frescos
  • Castanhas
  • Sementes.

 

VITAMINA B12

– Função: Auxilia na formação dos glóbulos vermelhos, no funcionamento correto do sistema nervoso e medula óssea.

– Deficiência: Alterações no sistema nervoso e anemia perniciosa.

– Fontes:

  • Carnes
  • Ovos
  • Peixes
  • Lêvedo de cerveja
  • Leite e derivados.

 

SINTOMAS DA DEFICIÊNCIA NUTRICIONAL

– Anemia

– Déficit de memória

– Formigamento nos membros inferiores e superiores

– Fadiga

– Fraqueza

– Pele ressecada

– Queda de cabelo

– Unhas quebradiças.

 

EVOLUÇÃO PÓS-OPERATÓRIO CIRURGIA BARIÁTRICA

ALIMENTAÇÃO ADEQUADA

– Adotar bons hábitos alimentares saudáveis por toda a vida.

– Carnes magras cozida, assada ou grelhada.

– Consumir regularmente frutas e verduras.

– Fazer as refeições em um ambiente calmo e tranquilo.

– Ingerir pequenas porções/volumes.

– Ingerir líquidos 30 minutos antes ou depois das refeições.

– Mastigar lentamente.

– Preferir alimentos que oferecem maior saciedade, como:

  • Alimentos integrais
  • Aveia
  • Batata doce
  • Carnes
  • Feijão
  • Ovos.

 

ATIVIDADE FÍSICA

Após liberação médica o paciente pode iniciar uma atividade física acompanhada de um profissional do esporte.

A prática regular de atividade física é fundamentar para um melhor condicionamento físico, manutenção da perda de peso, disposição e fortalecimento muscular.

Inicie com exercícios de intensidade leve ou moderada, e vá evoluindo gradativamente respeitando o ritmo do seu corpo.

Os tipos de exercícios podem ser:

– Aeróbicos

– Caminhada

– Corrida

– Dança

– Musculação

– Luta, entre outros.

 

EXCESSO DE PELE

Pacientes que conquistaram uma grande perda de peso e quando isso se mantém estabilizado por mais de dois anos, podem recorrer a uma cirurgia plástica para a retirada do excesso de pele.

 

GRAVIDEZ

Após a cirurgia, aguardar de 15 a 18 meses antes engravidar, para não interferir o crescimento do feto.

 

ANTES, DURANTE E DEPOIS É FUNDAMENTAL CONTAR COM O APOIO DA FAMÍLIA!!!

ESCOLHA CONTROLAR SUA ANSIEDADE, MUDAR SEU PENSAMENTO E SEUS HÁBITOS DE VIDA.

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 5
Total de Votos: 2

CIRURGIA BARIÁTRICA